SEMINÁRIO PEDAGÓGICO RUMOS ABERTOS 2019

O Seminário Pedagógico deste ano vem em um formato reduzido
em função de reformas na escola, mas nem por isso menos significativo. Vamos
discutir e aprender sobre temas que volta e meia ressurgem no cenário
educacional, envolvendo a aquisição da linguagem escrita e  a produção de bons textos. Essa é uma falha
constante na formação inicial dos educadores que urge trabalhar. Vamos a ela!

Módulo I – DESENVOLVIMENTO DA
LINGUAGEM ORAL E CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA APLICADA À PRÁTICA EDUCACIONAL

Esse curso nos possibilitará conhecer as fases
importantes do desenvolvimento da linguagem (LGG) em suas áreas: pragmática, fonológica,
semântica e sintática; os desvios e trocas esperadas e quando encaminhar para
avaliação. Permitirá também entender a importância da consciência
fonológica no processo alfabetização, o que é CF; pesquisas recentes,
benefícios, relação da CF com as hipóteses da escrita e com a leitura.

ATIVIDADE PRÁTICA:  traçar objetivos e montar atividades para cada
habilidade da CF

Dia: 16 de julho de 2019       Horário: das 8:30h às 12:30 / das 13:30 às 17:00    CARGA HORÁRIA: 8 horas

Público alvo: PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL  E  EQUIPE PEDAGÓGICA

A cargo de Luciana Iglesias, fonoaudióloga clínica e educacional e professora da pós-graduação em psicopedagogia da Univap SJC; especialização
em neuropsicologia, (Unicamp)em Linguagem e distúrbios de aprendizagem  e Dislexia, (Cedac ).

 

VALORES 
(Inclui participação no seminário com certificado, café de chegada, almoço e café de saída) 

Dia 16/07 – R$ 120 

Dia 26/07 – R$ 160  

Valor promocional para os dois dias: R$ 250 (opção de parcelamento via pag seguro) 

Desconto de 10% para grupos 
 
Inscrições e informações pelo email comunicapandavas@gmail.com ou pelo whatsapp (12) 9.9682-3873

Módulo II –A PONTUAÇÃO COMO RECURSO COESIVO

Helena Weisz

A gramática da legibilidade

          As práticas sociais de leitura mudaram muito desde o final da Idade Média. Os livros eram copiados à mão e a única leitura que se conhecia era a leitura em voz alta. Nesse tempo, era o leitor quem fazia marcas no texto para guiar a sua leitura: ele estudava esse texto exaustivamente pois precisava estabelecer o sentido para poder recitá-lo, como um ator. Essa abordagem trata a pontuação como recurso gráfico cuja função é auxiliar a leitura em voz alta. Talvez por isso, ainda hoje as cartilhas e os livros didáticos costumam apresentar a pontuação como um conjunto de sinais: o ponto – para descansar – a vírgula – para dar uma respiradinha – exclamação e interrogação – para indicar a entonação, etc.

          Nesta oficina teórico prática vamos tratar da pontuação dentro de uma abordagem de “gramática da legibilidade”.  O que vem a ser isso? Venha descobrir conosco!

Dia: 29 de julho de 2019     Horário: das 9:00h às 12:00 

Público alvo: PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL  E 
EQUIPE PEDAGÓGICA

A cargo de Helena Weisz, mestre em
Teoria Literária e Literatura Comparada pela Universidade de São Paulo (USP);
colaboradora da revista Nova Escola; professora do Instituto Pandavas.

Módulo III – TELMA
WEISZ DISCUTE CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA

Nas discussões sobre o retorno ao método fônico, um elemento importante que tem influenciado  seus adeptos é o debate sobre consciência fonológica e sua relação com a alfabetização – debate que muitas vezes confunde consciência fonológica com o sentido de consciência fonêmica e a compreende como pré-requisito para a aprendizagem inicial da leitura e da escrita. Nossa mestra
Telma Weisz vem esclarecer:

Consciência fonológica e método fônico: são a mesma coisa? Os erros na escrita das crianças ocorrem por deficiência da análise fônica? Para ensinar a ler e a escrever é preciso treinar previamente a correspondência grafofônica? Qual a relação entre a evolução das ideias infantis sobre a escrita e a consciência fonológica? E os erros de ortografia?

Dia: 26 de julho de 2019        Horário: das 13:00 às 16:00 

Público alvo: PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL  E 
EQUIPE PEDAGÓGICA

Telma Weisz é doutora em psicologia da aprendizagem pela USP. Foi
consultora do MEC para a concepção e produção do Programa de Formação de
Professores Alfabetizadores e é autora do livro “O Diálogo entre o Ensino
e a Aprendizagem” (Ática).